quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Bonsai


Bonsai, em Japonês, significa "cultivado em bandeja".
É uma forma de arte, trabalho sempre inacabado, fonte de inspiração e meditação.
A relação entre o "artista" e o Bonsai, é sinónimo de eterno namoro. De mútua descoberta, de constante aprendizagem. O Bonsai exige mil cuidados. Dedicação. Paixão!
O Bonsai tem muitas formas. O meu és Tu. Prometo continuar a cultivar-te, melhor que até aqui. A aparar cada ramo solto. Cada raiz caduca. A alimentar-te de Amor. A adubar esta relação que vai enraizar-se, receber luz, crescer e transmitir-se por gerações.

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Topo Gigio...Diz-vos alguma coisa?


(ao ver este video percebo o alcance do "Recordar é Viver")

O Gigio é mais um dos meus encantos de infância!
Colava ao ecrán para ver o Gigio. Escutava cada história com redobrado fascínio. Ensinava a cantar. A rezar. A adormecer.
Em forma de rato era o desenho animado mais real da época e por isso fazia parte da nossa vida. Era uma espécie de amigo famoso.
Recordo que orgulhosamente mostrava a t-shirt com a cara do ratito estampado na frente!
A forma encantadora como pestanejava, andava, ria ou abanava as orelhas...
Num dos primeiros post's deste blog falei-vos das Estórias que a Tv me gravou na memória. Falei-vos do Vitinho! Do D'Artacão! Faltava o Gigio. Topo Gigio!
(Isto do flash-back de memória...Lembrei-me da Heidi, dos Estrunfes, do Era uma vez a Vida, a Pantera Cor de Rosa, o Tom Sawyer, o Willy Fog, os Marretas, a Abelha Maia...O Vasco Granja com os desenhos animados do leste(deste falamos numa outra oportunidade)...Uff, esta coisa de puxar pela mona dá lagrimas nos olhos!)

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Canção de Embalar



Zeca AFonso, na voz de Dulce Pontes

(perfeita)Mulher

Vou contar-vos um segredo...
Gosto dos ombros e das mãos das mulheres.
De alguns (forma) ombros.
De algumas mãos. De dedos finos. Toque suave.
Ombros largos, (entre eles) espinha saliente.
Com as mãos podemos tocar.
Nos ombros podemos tocar.
Olhar. As mãos. Os ombros.
Embriago-me neste prazer.
É uma passividade estranha, numa acção louca.
Quando toco as mãos. Quando percorro o céu da espádua.

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Chuva


do Lat. pluvia
s. f., água que cai em gotas da atmosfera;aquilo que cai ou parece cair do ar como chuva;
fig., abundância;grande quantidade;cornucópia;
- de molha tolos: chuva miudinha;
estar a pedir -: merecer castigo;
- de fogo: artifício de fogo que representa a queda de massas de faíscas.


Priberam, Dicionário de Língua Portuguesa On-line


Destesto Chuva!!!

sábado, 17 de novembro de 2007

O (mau) Vicío.

O acto de fumar é defeito que procurarei corrigir. Não é promessa é mesmo ponto assente!
Não vai ser hoje porque não estou ainda mentalizado para largar o meu defeito.
Isto a propósito de hoje se assinalar o Dia do Não Fumador. Acho bem. Neste Mundo toda a gente tem um dia. E os que não fumam devem ver reconhecido o seu mérito. É estúpido o acto de fumar. É estúpido continuar a deixar que o vicio continue a consumir saúde, dinheiro e o direito dos outros a viver sem fumo.
Não é, de todo, fácil deixar de fumar. Já tentei...
Sem que um dia vou pertencer ao clube (felizmente maior e melhor) daqueles que Não são agarrados na estupidez que é ser fumador.
Vou hoje, de certeza, fumar menos, porque só vou fumar num canto meu, onde o meu fumo não cause incómodo a um inteligente que seja Não Fumador.

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

sábado, 10 de novembro de 2007

Cunhal, Álvaro


Álvaro Cunhal 1913-2005

É uma das figuras da História de Portugal que mais cativa a minha empatia.
Não me identifico com a ideologia do Partido Comunista. No entanto sempre olhei Álvaro Cunhal com um fascínio difícil de vos explicar.
Dele li as histórias da clandestinidade. O pensamento político.
A imagem de politico austero. A pose de Estadista. A convicção com que defendia a ideologia. Era(é) para mim o "político em estado puro".
Como escritor é exaustivo. Criador de pormenores. Fantástico contador de Estórias.
Dele disse Mário Soares, eterno adversário político, «Foi um militante abnegado do Partido Comunista toda a vida, identificou-se com a história do seu partido. Foi um grande resistente contra o fascismo e o colonialismo e sob esse aspecto tem de ser admirado, uma pessoa com grande verticalidade».
Esta é a ideia com que sempre olhei Cunhal: empenhado, um homem de causas e de convicções. Vem daí a minha admiração pela figura.

Álvaro Cunhal nasceu a 10 de Novembro de 1913.

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Mariza

É a figura desta manhã, não porque venceu o Grammy para o qual estava nomeada mas porque, diz quem viu, fez um concerto Memorável, ontem, no Pavilhão Atlântico.


O Fado é tão Nosso.

Fado com o chorar de uma guitarra, com uma voz que fala do coração.

Fado é sina, "estranha forma de vida", retrato de um País. Retrato do Povo.
Fado, meu fado...

"Foi por vontade de Deus
que eu vivo nesta ansiedade.
Que todos os ais são meus,
Que é toda a minha saudade.
Foi por vontade de Deus.
Que estranha forma de vida
tem este meu coração:
vive de forma perdida;" excerto de "Estranha forma de Vida"

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Exercicio

Vir aqui, de quando em vez, é exercício de puro prazer.
Não escrevo para que leiam. Para que gostem. Não expresso o que sou ou o que sinto.
É apenas puro prazer!
Vou correr. Vou comer. Vou fazer algumas das coisas que me dão prazer. E vir aqui faz parte.. Só isso.

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Tem dias...


...Que não apetece rir.
...Que apetece comer muito e muitas coisas.
...Que nos fartamos do Mundo.
...Que sentimos a necessidade de ter todos á nossa volta.

Hoje apetece-me nada e não fazer nada. E pouco mais que o que aqui vai escrito dizer.

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Que delícia...



Vi este video no blog do Bruno Nogueira. Resolvi colocar também aqui.

Talvez porque esteja mais sensível fiquei com os olhos aguados. Já tinha 10 anitos quando o Vitinho apareceu...
Ainda bem que continuo criança e olho com a mesma ternura para estes instantes...

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Saudade

Ontem senti a vossa falta.
Da luta, do cíume, da "ganância" de querer um mimo mais que o outro.
Nos momentos que precisei de vos falar sempre ficaram á minha espera.
Afinal todos os dias, fosse qual fosse o meu tempo de chegada, estavam ali.De "sorriso" e cheios de satisfação pelo nosso reencontro. Estas ocasiões só foram interrompidas pelas vossas noites de folia maior. Ás vezes dias!
Mas voltaram sempre.Ou quase...
O Mário poupou-nos a dor da despedida. Foi embora e nunca mais vai voltar.
Nicolau, "Meu Cão!", deixaste-te adormecer no teu cantinho...
Ontem senti a vossa falta. Aqueles instantes em que nos sentavamos ao luar e "falavamos". Em que me ouviam...
Afinal sempre fomos fíeis amigos.
Ontem queria ter-vos para mais uma conversa.
Ontem senti a vossa falta.
Obrigado pela Amizade!