domingo, 10 de maio de 2009

Lição

As aulas servem para aprender ou reforçar conceitos que muitas vezes, embora óbvios, teimamos em intuir.
Ontem dizia um professor acerca das noites académicas que "há um tempo para tudo... a vivência académica deve ser vivida naquele tempo, no auge da juventude". Depois, por mais que a gente vá lá, insista, marre com aquilo, já não há razão para os exageros alcoólicos, para as noites em sequência e para andar a sujar a boca em tudo o que mexe. E o professor tem razão.

Fui ao Enterro da Gata esta noite. Não cambaleei como há anos atrás.
Escutei o Abrunhosa e retive meia dúzia de coisas:
Diz ele nas letras que recita, musicadas com meia dúzia de instrumentos:
"Entre a espada e a parede/é onde o corpo mata a sede".
Recitou também uma verdade que para mim tem mais que o tempo:
"Já não como há 5 dias/não durmo há mais de um mês/desde que te conheci a minha vida é como vês" (verdade, só não emagreço)
...Estava eu a sair de fininho e pelo recinto ecoava:
"Tudo que eu te dou/tu me dá a mim/tudo que eu sonhei, tu serás (és)assim...mais! peço-te eu!/já me sinto a viajar.
Pára! Recomeça! Faz-me acreditar"

Tudo tem um tempo(lição da aula). Mas o tempo de viver, sem cambalear, é o mesmo de sempre!

4 comentários:

Isandes disse...

"teimamos", tudo junto.
queria ter entrado, k seca... *

Flávia disse...

Coisa mai'romantica. Sorry, pela saída de fininho :D a menina já estava na fase ranhosa (e com a garganta a arder).

AP disse...

Eu realmente devia ter ido às aulas..
Mas Verdade, verdadinha cada coisa tem o seu tempo..e nós cambaleamos sempre ao ritmo dele..
Um beijinho

Rita disse...

Sim, tens toda a razão. Eu também fui este ano, o primeiro em que já não faço parte daquilo e, apesar de ter sido muito divertido, cada coisa tem um tempo, e já não é com certeza a mesma coisa. Agora é o "Enterro" de outros. Dá saudades, mas a verdade é que tenho a sorte de poder dizer que quando foi o meu tempo, aproveitei como poucos. beijinho