sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Gelado. Que não do frio.

Hoje sai particularmente tarde do trabalho.
A área em frente estava despida, sem o amontoado de carros que ao longo do dia ocupam o espaço.
Por ali circulava, em desespero, um cão, de médio porte, ainda jovem, tal a energia com que se movia.
Com tanto espaço, ao longe, diria que se estava a divertir... mas não.
Uivava. E de focinho junto ao chão, desesperado, procurava encontrar o rasto de quem ali o deixou. Rodopiava. Voltava ao ponto de partida. Voltava a uivar. Em momento algum deu sinal de resposta ao meu chamamento.
Procurava a referência de uma qualquer besta que ali o abandonou.
Inocente continuava a procurar. Desesperado. Esperançado. Não desistiu.
Imaginem uma criança, pedida dos pais, num qualquer espaço [pode ser num dia de concerto Rock in Rio], entre milhares de pessoas. Uma criança que chora. Desesperada. Com a diferença que este cão, que continua a sua procura, nunca será capaz de articular o nome da besta que o abandonou.
Filhos da Puta!

5 comentários:

AP disse...

Enfim, querido Jorge Rita...

Flá disse...

e a criança tem sempre 'predadores'...

esses filhos da puta... coitadinho do bichinho. e tu? conseguiste vir embora deixando-o ali? eu, sei lá...

Bruno Marques disse...

É uma falta de civismo e educação que não tem palavras. Enfim...

Elsa disse...

Abondono de animais é crime e quem o faz pode ser punido pela lei.

Um animal tal como uma criaqça, e ate mesmo um adulto fazem parte da nossa vida...jamais abandonaria o meu Mefy ou a minha Micas...

Triste nao é akele k procura incessantemente, mas sim o k abandona sem piedade...pode ser k na sua velhice seja tb abandonado como um cao...

Jorge Rita disse...

Talvez tenha encontrado o destino.
Talvez tenha encontrado uma matilha que o acolheu.
Talvez outra coisa qualquer...
Hoje não vi por cá...