segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Cóf-Cóf!

A democracia está doente. Diria que, a julgar pelo estado do tempo, gripou.
Na ressaca das eleições registo de discursos «pobres» dos intervenientes. De queixas à abstenção. De simplex que complica.
As pessoas não votam porque estão fartas. De incoerência politica.
As pessoas não votam porque a isso não as obrigam.
Tipicamente nosso.
Reclamamos muito. Fazemos pouco.
(se a exemplo do Brasil o voto fosse obrigatório, se na penalização a quem não exerce o direito de cidadania estivesse por exemplo, o impedimento de exercicio de qualquer função pública ou de emprego público. Ou se, radicalizar, e quem votasse não tivesse acesso à educação ou ao serviço nacional de saúde, estou certo que por cá, fariamos mais e lamentariamos menos. Portugal de muitos Direitos e poucas Obrigações.)

1 comentário:

Isandes disse...

muito bem dito, dr.